domingo, 2 de maio de 2010

Pamonhas, pamonhas, pamonhas



- Ahnnn...
- Que foi, amor?
- Estou carente...
Paulo sabia que quando a esposa estava carente significava que ele estava abusando da ausência para com ela. Eram casal sem filhos, mas mesmo assim o trabalho na empresa de software estava tomando muito de seu tempo. Às vezes trazia trabalho para casa, varava madrugadas no computador. E Pâmela reclamava sempre que isso acontecia, ou melhor, reclamava do seu jeito dizendo que estava carente.


************************************************************************************************************


Paulo prometeu para Pâmela naquele mesmo dia que o próximo fim de semana seria inesquecível. Ele deixaria o trabalho arquivado em alguma gaveta e viveria somente para ela, teriam uma nova lua de mel, enfim todo aquele papo do tipo 'vamos tirar o atraso'.
E o dia veio, a noite de sexta-feira foi um estouro, as carruagens de fogo cruzaram o céu estrelado e tudo se renovou.
Na manhã de sábado, tudo parecia festivo para o casal. Paulo inclusive depois de muito tempo se lembrou que foi o primeiro sábado em que não acordou já pensando nos abacaxis que ia descascar na segunda. Estava sereno, relaxado entre os lençóis. Tão relaxado que não percebeu que Pâmela  olhava para ele com aquele olhar enigmático que as mulheres fazem quando querem algo...
- Estou carente...
Ele quase soltou um "De novo?", mas conteve-se a tempo e achou que eles mereciam sim, o melhor. E o melhor havia apenas começado, que viesse o cardápio completo.
- Ahnnn...Paulo...


*************************************************************************************************************


A cabeça de Paulo, que depois de vários meses estava no lugar numa manhã de sábado, havia se esquecido que inúmeros profissionais trabalham nos fins de semana. Entre eles o vendedor de pamonhas que havia parado inconvenientemente no portão da casa para anunciar o produto:
"Pamonhas, pamonhas, pamonhas de Piracicaba! É o puro creme do milho verde, curau e pamonhas, que delícia! Pamonhas, pamonhas, pamonhas..."
Todo este marketing da iguaria piracicabana fez mal à Pâmela. Ela literalmente 'travou'. Era sempre assim, quando ela e Paulo estavam juntos e aparecia alguma coisa que a desconcentrasse, ela 'travava'. Isso sempre acontecia quando aparecia uma lagartixa na parede, ou então quando sua irmã deixava a gata com eles para viajar com o namorado. Pobre Calabresa, depois que Pâmela Cristina a arremessou pela janela por ter estragado uma vez seu momento a sós com Paulo, nunca mais foi a mesma. O pior mesmo foi o pica-pau que apareceu numa noite para martelar a paineira na casa da Joyce (depois disso nunca mais se falaram, a culpa era dela que tinha um árvore em casa, humpf!)


************************************************************************************************************


"Pamonhas, pamonhas, pamonhas...venham provar o puro creme do milho verde!'
- Eu não consigo assim, amor...
- O que eu posso fazer?
- Vá falar com o homem para parar com o barulho...
-  Eeeu? Como eu vou explicar para ele isso?
- Ah....você não me ama, é isso...
- Mas Pam, o que você quer que eu faça?
Sempre que Paulo pronunciava o fatídico 'Mas Pam, o que você quer que eu faça?' após o dramático 'Ah...você não me ama, é isso...' a coisa desandava. Ela ficava com a mesma cara de quando queria ver as carruagens de fogo, só que com a boca torta para o lado esquerdo.
- Mandar aquele maldito homem ir embora daqui, junto com aquele maldito alto-falante, vender suas malditas pamonhas em outro maldito lugar!


************************************************************************************************************


Paulo foi até o portão.
"Eu tenho o melhor marido do mundo, morram de inveja mulheres..." pensou. Ela sempre pensava assim quando ele ia consertar a torneira ou lavava a louça.
Ela percebeu Paulo batendo a porta, mas o homem continuava na porta berrando o produto.
- Você não ameaçou o homem, não mandou ir embora? perguntou.
- Não. Ele ouviu você gritando, pediu desculpas e me deu estas pamonhas. Quer uma? Você sabia que o milho é afrodisíaco para algumas culturas indígenas? 
"Pamonhas, pamonhas, pamonhas", ouvia-se o som já distante...


*************************************************************************************************************


Foi providencial a compra daquele sofá novo na semana anterior...


Um comentário :

Bento Cruz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.