quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Aquele, o Anselmo

Ele bem que poderia ser conhecido por ter trabalhado na extinta Companhia Municipal de Transporte Coletivos e por ter feito 'atolar' no asfalto um também extinto ônibus de dois andares, que ficou encalhado na canaleta da rua. Saiu até no noticiário da TV e isso até o deixava meio sem graça, pois foi a única coisa que me lembre feita por ele que pudesse ser chamada de 'mancada'. Ou então poderia ainda ser conhecido por ter sido chamado de insensato por ter largado sua vida de condutor e iniciado seu próprio negócio com a mulher e filhos, num tempo onde todos diziam "Você é louco por trocar o certo pelo duvidoso!"

Mas não, ele sempre foi conhecido como 'Aquele, o Anselmo'.

Isso porque sempre que se queria saber de algo, alguém sempre apontava para ele e dizia 'Olhe, talvez ele ali saiba, aquele, o Anselmo'. Daí pegou o nome e sempre que alguém precisasse de apoio nas mais variadas áreas do conhecimento, ali estava o bom e velho Anselmo.

Não é exagero não. Acredito que ele foi o precursor do Google. Acho que é isso mesmo, antes da googlada talvez houvesse a anselmada. E não tinha tempo ruim não. Se quiséssemos algo para nossos trabalhos de escola era só agendarmos um papo com ele. Agendar não, pra dizer a verdade era só chamar dizendo que estávamos precisando de sua ajuda para conseguir algum material e lá estava ele largando tudo para desespero de sua mulher que tinha que cuidar da quitanda. Não que fosse preguiçoso ou algo parecido, mas seus olhos parece que brilhavam quando alguém solicitava seus conhecimentos e parecia que nunca deixava ninguém na mão. 

E então com sua assessoria, tudo ficava mais fácil. Tudo era fascinante para nós, seus discípulos, ver Anselmo tratar dos mais variados temas. História Universal, Química, Português, Inglês, Anselmo (ele até já tinha dado aula, vejam só). Cultura geral. Anselmo. Futebol. Anselmo. "Olha, o primeiro time a admitir negros foi o Clube de Regatas Vasco da Gama, vejam como eram corajosos", dizia o carioca radicado em São Paulo desde os nove anos (ele tinha uma paixão imensa pelo Corinthians, seu time do coração). Ele tinha uma sala só com suas revistas, livros, enciclopédias e tudo mais que consultava diariamente nas horas de folga. "O centro de informações", era como ele chamava o "cômodo favorito" de sua casa, "depois, é claro da cozinha, do quarto, da sala, da varanda, e da garagem", completava rindo.

Às vezes ele filosofava também. Mas nunca foi pedante, possivelmente por sua vontade de ajuntar, de difundir, de ver que tudo poderia ser transformado através do conhecimento, do aprender no dia a dia. "Só sei que nada sei" era para ele mais do que o slogan de um de seus filósofos favoritos, era um ideal de vida. Parece que esse ideal era o de unir as pessoas em torno de algo mais importante do que todas as coisas mais valiosas juntas - o conhecimento. Não o conhecimento pelo conhecimento, mas o conhecimento que transformasse e nos levasse a outros mundos, que ajudasse as pessoas...

E ele também gostava de ajudar as pessoas, sabe? Um dia ele foi na casa do Paulo consertar um chuveiro que não funcionava de jeito nenhum. Então ele até deu uma 'bronca' no Paulo porque tinha ligado o fio terra do chuveiro no neutro da corrente elétrica, algo errado, porque poderia causar choque. Ele falou: "Se você virar churrasquinho como vai casar com minha  Mariana, hein?" Mariana era a filha do Anselmo, que por coincidência estava com o pai naquele dia na casa do Paulo. Nem preciso dizer que daquela história a família daquele, o Anselmo, aumentou. Era impressionante, ele conseguiu casamento para a filha e os três filhos dessa maneira, como quem não quer nada. Aquele, o Anselmo das redes sociais. É isso aí, acho que ele também é precursor das redes sociais. Ele estava anos à frente do Google, do MSN e do Facebook!

Um dia desses passei na quitanda do Anselmo e soube que ele estava doente. Nada grave, tranquilizou dona Luisa, sua mulher. Duas semanas de repouso ele estaria novo em folha. Mas a mulher não estava muito tranquila, pois em vez de descansar, lá estava ele atrás de tudo e fazendo tudo. Fui fazer uma visitinha, que acabou durando a tarde toda. Porque por mais que você queira deixar a conversa para a próxima vez, nunca consegue, pois Anselmo sempre é interessante para quem quiser saber coisas interessantes. Entrei e o vi com seu novo 'instrumento' - um notebook que ganhou de aniversário da Mariana. "Veja que beleza, vão lançar o Windows 8!". Achei engraçado e vi que, fosse o 'Anselmo analógico' ou o 'Anselmo digital', não importava, ele sempre estava atrás de coisas novas. Aliás, ali parecia que um computador estava sendo utilizado por outro computador ambulante, criativo, sabedor de tudo, mas muito humano. Passei a tarde inteira conversando com ele e o tempo passou tão rápido. Assim como a memoria do Anselmo, sempre a mil, que jamais pára. 

Semana que vem volto lá, pois ele me prometeu que me ensinaria a usar o programa editor de filmes, algo que nunca aprendi direito. Claro que isso vai acabar, pois depois de uma aula daquelas do Anselmo, é difícil sair não sabendo das coisas...

7 comentários :

Ana Gabriela disse...

Ah tá... o Anselmo! :D
Conheço uma pessoa assim. É maravilhoso ter alguém assim, tanto quando você precisa ou quando voc~e não precisa, é excepcional!
Bjs

Marcos Vinicius Gomes disse...

É muito bom mesmo ter amizades desse tipo.
Bjo.

Anônimo disse...

agradeço por sempre comentar meu blog...!ESPERO CRESVER COM SUAS COLOCAÇÕES.
Amanda Laiara

Marcos Vinicius Gomes disse...

E obrigado por seus comentários, Amanda.
Bjo.

ALRC disse...

Marcos, desejo que esteja bem...FELICIDADES

Otário disse...

feliz natal jovem marcos!
andas desaparecido...

Nayana Moraes disse...

Se pudesse comentar...
Meus escritos literários:

http://naintrospectiva.blogspot.com/